Vaia a Dilma no Itaquerão, grau zero da dignidade civil

 

Nesta semana, a Copa do Mundo organizada pela FIFA, porém realizada no Brasil, segue em paz.  A cada rodada se consolida como uma das melhores Copas dos últimos tempos, conforme críticas abalizadas da imprensa estrangeira e dos visitantes que aqui estão. O que sabemos é carnavalizar. A Vila Madalena é o centro do mundo festivo,  solidário, e todos desfrutam da cordialidade dos brasileiros. Felizmente não perdemos essa característica. Não somos, nunca fomos do mal.

É verdade que para ser a melhor copa de todos os tempos, há de se considerar que essa medida de tempo é relativa. Se analisarmos pela ótica dos jornalistas borra botas, uns vendidos, outros rendidos até por troca de favores menores, os estádios ainda não estão prontos, e deverão ser concluídos no decorrer das próximas décadas, o mesmo acontecendo com o caos nos aeroportos, falta de infraestrutura e toda a cantilena martelada pelo conjunto da mídia dia e noite, noite e dia s do Oiapoque ao Chuí e a toda imprensa estrangeira. Até que o dia chegou.  Data marcada para o jogo inaugural. A vaia traduz o sentimento coletivo e deve ser respeitada como tal. Muito diferente do coro animal constrangedor do Dilma Vai Tomar no Cú. Independentemente de esquerda ou direita. A total falta de senso de noção sobre o que significa ser presidente de uma nação, chefe de Estado, liturgia do cargo, ausência de civilidade, me incomodou, ainda me incomoda e até pensei em me mudar para Miami, ou Orlando sei lá! entende!? (sic). Mas como não tinha opinião formada, respeitei o ditado que diz: se não tem nada para falar fique quieto, boca fechada não entra mosquito. Mas como lidar com oportunismo barato dessa imprensa sorrateira, utilizando nomes de intelectuais brasileiros tentando passar um verniz de “verdade” sobre o ocorrido. O texto de José Miguel Wisnik esclarece a infantilidade desse comportamento estapafúrdio da elite, ao mesmo tempo que revela nas entrelinhas o motivo da baixaria orquestrada dessa parcela da sociedade, quando se vê acuada sendo obrigada a dividir o seu gozo com os demais cidadãos. Vale a pena ler o texto.

Bandeira do Brasil

A famigerada vaia a Dilma, na abertura da Copa, tem alguma coisa de destampatório infantil
por José Miguel Wisnik, O Globo, via Blog da Maria Frô

Não gostei de me ler no GLOBO falando sobre a vaia verbal a Dilma na abertura da Copa. Quando recebi o telefonema da repórter, imaginei que se tratava do formato enquete, em que se colhe uma frase de cada uma entre muitas pessoas, e não uma entrevista com destaque e fotografia, sugerindo a intenção de um pensamento completo. Prezo muito o esforço para se chegar à formulação de um pensamento minimamente sustentável. É o que tentarei fazer aqui.

Vaias e aplausos são ruídos com sinais opostos. Não têm palavras, mas têm direção e sentidos. Ruídos são ondas sonoras desorganizadas, caóticas, com poder destruidor e mortífero. Mas na forma de aplausos, produzidos pela cascata do bater das mãos, resultam numa soma de frequências graves, médias e agudas que se parecem com o chamado “ruído branco” do mar, lavando o aplaudido num banho consagrador. Já os apupos são viscerais, guturais, contínuos, monocórdicos, como se tentassem soterrar a vítima num monte de excremento sonoro.

 

Discursos em estádios de futebol são candidatos praticamente eleitos a tomar vaias. O jogo de futebol, que não se faz com palavras, ocupa um espaço imaginário que está no avesso dos cerimoniais e das solenidades. Estas afirmam as hierarquias, os papéis e os valores que sustentam a ordem estabelecida. A massa no estádio de futebol, que tem muito de um carnaval acirrado pela disputa, quer se ver livre disso. É o que diz a frase de Nelson Rodrigues, “estádio de futebol vaia até minuto de silêncio”. A massa vaia o presidente, a presidenta, o juiz, o morto, o que estiver atrapalhando a promessa de gozo. E os brasileiros, diferentemente dos argentinos, vaiam a sua seleção, se esta estiver atrapalhando a promessa de gozo.

A famigerada vaia a Dilma, na abertura da Copa, tem alguma coisa desse destampatório infantil. Mas é menos, ou nada, inocente. Mais que vaia, era um mote verbal ofensivo, dirigido, pontual. Sem nada de original, adaptava uma frase ritmada recorrente em estádios, especialmente em São Paulo, onde a massa é menos imaginativa: “ei, juiz, vai tomar no cu”. Sempre achei esse mote, mesmo no contexto futebolístico, um atestado de primarismo, com sua métrica estropiada e sua rima caolha. Com o nome “Dilma” mal ajambrado ritmicamente no lugar de “juiz”, resulta em definitivo no que há de mais tosco em matéria de “dinamogenia política”, como chamava Mário de Andrade essas manifestações de massa, cuja riqueza ele analisou num comício em São Paulo em 1930.

Frases ritmadas, cantadas em coro pelas multidões, em aglomerações esportivas ou políticas, são sintomáticas do que está acontecendo ali, tanto nos conteúdos quanto nas formas, que são, aliás, inseparáveis. Há uma rica variedade de cantos de torcidas, por exemplo, no futebol do Rio de Janeiro. Freud fala em chistes, cuja elaboração verbal, brotada do inconsciente, com suas rimas, ritmos e duplos sentidos, gratifica o prazer da língua, ao atingir seus alvos de maneira tendenciosa. Cita chistes agressivos, que substituem com palavras o ataque físico, e chistes obscenos, que desnudam e humilham alguém perante outros. Mas, num caso ou no outro, justificados pela engenhosidade do trocadilho, pelas aliterações, pela imaginação que faz rir, por um senso certeiro da carnavalização. O ataque verbal a Dilma no Itaquerão era, além de tudo, um chiste destituído de qualquer chispa de inteligência, um exemplo quimicamente puro da liga do agressivo com o obsceno, inconscientemente orgulhoso de ser burro, no grau zero da dignidade civil.

Já que os estádios não são mais caldeirões sociais, mas arenas para o consumo abonado (e por isso mesmo foram todas construídas ou reconstruídas para a Copa), faço coro à vaia aos VIPs, como escreveu Augusto de Campos, ao protestar contra o uso banalizador, distorcido e ambíguo do seu poema “VIVA VAIA” pela “Folha de S.Paulo”. E também, em desagravo, ao seu VIVA DILMA. A vaia tem um recorte de classe.

Ao mesmo tempo, reverbera aquelas vibrações rancorosas e obscuras que perpassam a sociedade brasileira. As culturas combinam seus aspectos superficiais com seus aspectos profundos, seus pesos com suas levezas. No Brasil, reina uma conhecida alergia àquilo que é profundo e pesado, e uma considerável congratulação com o que é leve e superficial. No entanto, muito das suas mais geniais criações, na literatura, na canção e no futebol, participam de uma etérea e singular leveza profunda. Muito da alegria da Copa do Mundo, agraciada pela dimensão latino-americana que ela assumiu em território brasileiro, é expressão disso. A vaia verbal a Dilma, por sua vez, representa o que pode haver de pior nisso tudo, numa direção ou noutra: a sombria conjunção do superficial com o pesado.

José Miguel Wisnik: Vaia a Dilma no Itaquerão, grau zero da dignidade civil, superficial e pesado.

Publicado originalmente no blog viomundo – link abaixo

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/jose-miguel-wisnik-vaia-a-dilma-dignidade-civil-zero.html

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s